O saudoso e famoso Luiz Gonzaga mencionava um sinal cantando na letra de sua composição “Xote das Meninas”, avisando que “mandacarú quando floresce na seca, é sinal que a chuva chegou no sertão e a menina quando enjoa da boneca é sinal que o amor chegou no coração.”

Sinal é sempre uma manifestação de algum tipo, seja na Natureza, na Vida, no Universo, avisando, advertindo, alertando, orientando, lembrando, ensinando sobre alguma coisa que aconteceu, acontece ou acontecerá. A letra da música do Rei do Baião fez uma bela associação entre um sinal da Natureza e a Vida.

Grande parte de nossa vida é tomada pela nossa carreira e por isso devemos estar muito atentos aos sinais que nela aparecem e que nos alertam para alguma coisa importante na sua trajetória, seja em direção ao sucesso, seja em direção oposta. Os em direção ao sucesso são de fácil percepção, tais como boas avaliações, feedbacks estimulantes, absorção de responsabilidades adicionais, acenos de promoção, reconhecimento de potencial, etc, etc. Mas os sinais em direção oposta, em geral são sutis e por isso de difícil percepção, sobretudo devido ao dia-a-dia que tanto consome nossos pensamentos e nossas energias na vida pessoal e profissional. É muito comum observarmos profissionais que se encontram em transição de carreira sem mesmo perceber este estado. Não estão atentos ao significado de alguns sinais como contínua falta de motivação para o trabalho, constante desconforto no ambiente da empresa, no “ódio às segundas-feiras”, no relacionamento com chefias, na falta de engajamento, na atitude de desinteresse, no excesso de críticas, etc, etc, etc. Estes são sinais típicos de que o profissional está em transição inconsciente na sua trajetória de carreira e apenas continua no emprego fisicamente.

Pois este é o momento de parar para pensar o que está se passando, voltar-se para si mesmo, organizar suas ideias, rever suas competências, as dificuldades que o impedem de ser feliz no trabalho, os pontos que necessita melhorar e como, e assumir conscientemente a necessidade de ajustar seu rumo na sua carreira seja na empresa em que está atuando ou fora dela.   Se não conseguir sentir-se satisfeito com suas próprias reflexões, talvez precise de ajuda, que deve procurar em pessoas de sua confiança e capacitadas para reverem juntos novos caminhos. Se não o fizer, certamente estará deixando ao acaso a trajetória de sua carreira, o que lembrará a música do outro não menos famoso e atual cantor Zeca Pagodinho: …” deixa a vida me levar, vida leva eu”….

Antonio Prado
Coach e Consultor de Carreira

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *